18 setembro 2017

Soneto de um Outro Tempo

não, agora que sangram tempos outros
eu falarei como te sendo o ausente
ou um nada que nem sequer se sente 
ou um doentio pelas mentes dos doutos 

pesteado bicho pelos campos solto 
pingo de sangue na vagina quente 
a poeira de um asteroide incidente 
um palavrão na boca de um louco 

serás o assalto de uma velha astuta 
gosto insentido de cianureto 
os pedaços de carniça em disputa 

a navalha que num fígado eu meto 
saliva morna de um beijo de puta 
e a tua presença entre meu soneto

16 setembro 2017

NASA se pronuncia sobre o Fim da Civilização

“Esta é a moral de todas as histórias humanas:
Não é nada mais que o mesmo ensaio usual do passado.
Em primeiro lugar a liberdade e a glória – depois isso falha,
A riqueza, o vício, a corrupção – a barbárie ao final.
E a história, com todos seus vastos volumes,
Não possui mais que uma única página…"

Lorde Byron


Recentemente, a NASA, a agência espacial dos EUA, divulgou um estudo realizado por ela sobre como seria o fim de nossa civilização. E não, ele não se refere a um possível choque de asteroides ou coisas do tipo, mas  a um fim causado pelo próprio homem. Nada de novo no assunto. Eu mesmo, desde antes do início deste século, já escrevia sobre  o iminente colapso de nossa civilização, incapaz de se manter durante muito mais tempo da forma como vivemos. E que não dá sinais de que alguma verdadeira alteração à vista, pelo contrário. Mas um estudo da NASA, que, teoricamente, baseia-se em informações e fatos científicos, acrescenta um peso indiscutível a esse problema, a meu ver, inexorável. 

A seguir, transcrevo trechos da matéria sobre o assunto publicada no site Yahoo Notícias:



Para a NASA, um dos problemas mais graves seria o fim da civilização ocidental. Esta catastrófica realidade foi imaginada em um estudo financiado com recursos da organização. Neste trabalho foram analisados os motivos que acabaram com outros impérios no passado, como o romano. E a conclusão é clara: a história pode voltar a se repetir.


“Duas importantes realidades estavam presentes em várias sociedades que colapsaram,” diz a conclusão da pesquisa. “A exploração dos recursos devido a uma tensão excessiva sobre a capacidade de produção ecológica e a estratificação da sociedade em elites e classes.” Ou seja, as civilizações que ruíram eram basicamente injustas e exploravam excessivamente os recursos naturais até esgotá-los. Alguma semelhança com a realidade atual?

Os pesquisadores asseguram que nas sociedades pouco igualitárias é difícil evitar o colapso: “Nelas, as elites crescem e consomem muito, o que causa fome entre as classes mais baixas, algo que finalmente leva ao colapso.”

Nestes casos, os mais ricos continuam se aproveitando dos recursos, enquanto os demais passam dificuldades, “exacerbando o problema,” conforme ressaltam os especialistas.

Ainda que nos últimos anos o tema do meio ambiente e da preservação de recursos tenha sido levado mais a sério, os pesquisadores acreditam que está surgindo um novo problema e que a raiz da situação não foi solucionada: “A tecnologia para aumentar a eficiência no consumo de combustível nos carros fez com que a venda de veículos disparasse, com que as novas unidades fossem mais pesadas [e, portanto, consumissem mais] e com que a velocidade na qual eles são conduzidos aumentasse.”

Todas estas situações “engolem” o suposto avanço da eficiência do consumo para proteger o meio ambiente: os carros precisam de menos gasolina para funcionar, mas como cada vez há mais veículos, mais pesados e que andam mais rápido, acabamos consumindo a mesma quantidade de alguns anos atrás.

Os autores dedicam algumas palavras para todos aqueles que pensam que suas conclusões são exageradas e que a sociedade atual é imune a problemas do passado: “Uma olhada rápida sobre todas as sociedades que colapsaram nos últimos séculos demonstra não apenas a ubiquidade do fenômeno, mas também a realidade de que sociedades fortes, ricas e poderosas também podem vir abaixo.”

Na imagem, o quadro "A Maldição do Império - Destruição", de Thomas Cole. A obra é dividida em 5 partes, que expressam o surgimento, o desenvolvimento, a decadência e o colapso de uma civilização.



14 setembro 2017

"...equivocadamente chamado homem..."

se soubéssemos quantas pessoas
apodrecem em miséria
a cada riqueza que é concentrada...

se soubéssemos quantos humanos
agonizam de fome
a cada alimento desperdiçado...

se soubéssemos quanto de vida
diminui no planeta
a cada água jogada fora...

se soubéssemos quanto de morte
se espalha na Terra
a cada bem que é produzido

nós, esses vermes...
faríamos tudo de novo...

12 setembro 2017

Os Homens com suas Merdas

os homens com suas moedas
se acham vastos
mas não passam de vasos

os homens com suas metas
se acham vultos
mas não passam de vulgos

os homens com suas armas
se acham forças
mas não passam de farsas

os homens com suas regras
se acham retos
mas não passam de ratos

os homens com suas naves
se acham fogos
mas não passam de fátuos

estes homens que se acham 
tornados ciclones furacões 
mas não passam de flatos

10 setembro 2017

Confissão de um Parasita

o que o planeta vai querer com alguém como eu?
reles verme racional que vive de despojos
monstro de egoísmo que destrói a vida
para manter em pé meu esqueleto morto?
ainda que mil florestas tombem à minha direita
e 10 mil animais agonizem à minha esquerda
eu tenho que esboçar esse sorriso estúpido
na minha cara cínica
como forma de demonstrar ao vazio social
que NÃO fugi dos padrões e dos contratos
de felicidade fútil e de sucesso inútil obrigatórios
dessa civilização de parasitas homicidas-suicidas

por que o planeta iria se esforçar
para manter vivo o fanfarrão inconsciente que sou
ou que eu nem sei que sou
nem para onde vou
nem por que estou aqui
e na minha vida sem sentido
eu, este lixo
unido na desgraça a outros 7 bilhões
de lixos
só o que faço (apoiado por todos)
é produzir mais lixo
lixo que nós, lixos
consumiremos e transformaremos no lixo do lixo
a ir para lixões mares e abismos

e ai de mim se parar para pensar
se parar para sentir
se parar para viver
como posso parar de produzir lixo
em troca do lixo do dinheiro?
então entrarei para o rol dos fracassados
dos que não prestam
dos homens de mal
dos mal-sucedidos

e dirão mesmo
os outros 7 bilhões de lixos
que este texto é algo lamentável e deprimente
feito por alguém que em nada contribui
para a ordem e o progresso da sociedade...

o que o planeta deve fazer
(para proteger a vida)
com parasitas como nós?

mas corra!
que ainda dá tempo de ficar milionário!

09 setembro 2017

Forca

I - que a força está nos detalhes
é fato conhecido
mas não tanto quanto
o de como a forca está nos detalhes

II – aquilo que é dito o mal
não pode ser de todo mal:
mal que é mal não se diz
porque não se percebe como sendo:
aquilo que é dito o mal
foi percebido mal

III – aquilo que é dito o bem
não seria o bem
se fosse percebido bem

06 setembro 2017

As Tripas da Esperança

esta humanidade faliu não sendo
e o homem não atingiu nem o fracasso
naufragou por entre mar de ouro e de aço
esmagado pelo taco do vento

ainda ouço as lágrimas que te lamento
só álcool e réquiens por onde eu passo
teu sonho em sucesso era só um cansaço
teu riso feliz é de um rato horrendo

estes caminhos são os do extermínio
das tripas da esperança no teu rosto
o raio de Saturno em seu domínio

pragas de sapos transbordam os esgotos
e se agiganta um futuro de símios...
mas e quanto às armas? tudo está posto. 

03 setembro 2017

A Doença da Humanidade

Quando eu me refiro, falo, escrevo sobre "FIM" e\ou sobre o meu PESSIMISMO ABSOLUTO com relação a esta civilização, não estou me referindo a apocalipses com data marcada ou catástrofes totais de uma hora para outra. Refiro-me ao que alguns otimistas incuráveis (ou ingênuos, ou hipócritas) classificariam como pequenos "acidentes de percurso". Para mim, são os sintomas de uma doença fatal que se manifestam aos poucos, bem aos poucos, até que, quando percebemos, é tarde demais. 

Refiro-me a coisas como o que fez o nosso (des)presidente Temer, a de extinguir reservas gigantes na Amazônia e praticamente entregá-las às mineradoras, como a Samarco (lembram?), entregá-las à sede insaciável do capitalismo e à exploração e destruição que dela sempre resultam. Ainda que agora o ato tenha sido suspenso, estou certo, lamentavelmente, de que, cedo ou tarde, a região acabará nas mãos das mineradoras e a vida sobre-humana que ali se ergue estará ameaçada pela miséria da cobiça. 

E eu poderia dar muitos outros exemplos. Esse é um caso, apenas um, um dos muitos, incontáveis, sintomas da doença da humanidade a que me refiro. É claro que eles não ocorrem somente no Brasil, e não são apenas ambientais, mas sociais, humanos, psíquicos, econômicos, espirituais, emocionais, o que queiram. 

O Fim é isso. Uma doença insidiosa, de sintomas isolados, que surgem e ressurgem, aqui e ali, mas cada vez mais, cada vez piores.  Como costumam ser as doenças fatais, de início nem percebemos, ou não damos atenção, ou não nos parece tão grave. Um sintoma aparece, depois passa, some, e nos acreditamos saudáveis Às vezes, acreditamos numa cura, às vezes até tentamos, mas há casos em que é tarde demais. Até que, fatalmente, vem a Morte.

Mas a morte desta humanidade, desta civilização. O planeta continuará, em constante renovação.

01 setembro 2017

Queda de Estrelas

o que dirá a palavra que eu nunca disse?
e nunca vi e nunca ouvi
alguém a dizer que a fosse?
eu sei o que ela (não) é
e sei que eu não consiga
fazer com que ela diga
o que no fundo eu sei a me dizer

mas não é bem que eu saiba
é talvez que eu sinta
mas entre sentir e saber
não cabe só uma palavra
e isso que me indignava
se torna outra coisa além
que não a coisa a ser dita

e também não é bem sentir
é coisa ainda mais maldita
que o sentir ainda não é
bem o que está aqui ou ali
talvez seja um algo mais ao alto
que eu só alcance de assalto
que não vejo do que me veja
e ainda que eu te seja
não me alcanço tornar tornado

mas também
por que eu hei de dizê-la?
seja lá o que dor que eu diga
quem verá cair estrela?

30 agosto 2017

Nós, os Deslivres

I - as dúvidas não me deixam descansar 
tenho uma que é demoníaca: 
liberdade 
é a tudo viver 
sem nada ter que sentir 
ou é a tudo sentir 
sem ter que a tudo viver? 

 II – o processo da civilização 
é um processo de deslibertamento: 
são os seres cada vez menos livres 
no mundo natural desnaturalizado 
e os homens cada vez mais deslivres 
no mundo onde devem 
sentir e viver cada vez menos 
e fazer cada vez mais 
para terem a sensação virtual 
de que seriam livres 
se não fossem obrigados 
a serem (des)libertos

28 agosto 2017

Três Lembretes sobre Liberdade

I - o livro me torna livre 
o livre retorna em livro 
mas não livra sozinho
nem com tanto verso
e palavra em torno
do que me livro 
se entorno vinho 

II -ser livre 
é não ter que ter: 
não ter 
é não precisar não ser 

III - em toda suposta liberdade 
há uma prisão latente: 
ai dos que se julgam livres:
devíamos ler a palavra "livres"
de trás pra frente

26 agosto 2017

Beethoven contra a Tirania

Ludwig van Beethoven (1770 - 1827) compôs entre 1803 e 1804 uma das maiores e mais revolucionárias obras musicais de todos os tempos, a Terceira Sinfonia, que, quebrando os rígidos conceitos do Classicismo, deu início ao tempestuoso período romântico na música. A 3ª Sinfonia, com quase 1h de duração, superava em muito, seja em forma seja em conteúdo, todas as sinfonias até então  realizadas, incluindo as de Mozart, Haydn e as duas anteriores do próprio Beethoven. Sua estreia foi um escândalo. Os críticos da época, em geral, diziam que a sinfonia era "barulhenta e exagerada", e que "não terá  futuro".  Nunca alguém esteve tão errado.

Beethoven era um admirador dos ideais de liberdade da Revolução Francesa. Via Napoleão Bonaparte como um símbolo dessa revolução. Na época, Bonaparte era um general que parecia lutar pelos mesmos ideais de liberdade nos quais o compositor acreditava. Antes da estreia da Sinfonia nº3, Beethoven pensou em dedicá-la a Napoleão, chegou a escrever a dedicatória na partitura da sinfonia. No entanto, em maio de 1804, Napoleão cuspiu e pisou nos ideais de liberdade da Revolução Francesa e se autoproclamou imperador. 


Quando soube da notícia, em acesso de revolta, fúria e indignação, tão comuns no gênio da música, Beethoven dirigiu-se à partitura e riscou a dedicatória a Napoleão com tanta força que chegou a rasgar a folha. Napoleão era apenas mais um tirano. E tiranos, ditadores, nobres, Beethoven, em geral, não os suportava. Ele escreveu sobre o tirano Napoleão:



"Então ele não é mais do que um mortal comum! Agora, também, ele vai pisar no pé de todos os direitos do homem, saciando somente a sua vontade; agora ele vai pensar que é superior a todos os homens, se tornando um tirano!" 


Beethoven decide então dedicar a Terceira Sinfonia "À Memória de um Grande Homem", que não era Napoleão, e chamou-a de Sinfonia Eroica. O 2º movimento da obra traz uma trágica e titânica Marcha Fúnebre. A Sinfonia, como um todo, como toda a obra de Beethoven, como o próprio Beethoven, é, no mínimo,   um monumento à Liberdade Universal.


24 agosto 2017

Duas Mil Postagens

Esta é a postagem número 2000 deste blog, em 11 anos de O Fim, completados em 19 de agosto. Creio ser um número a se comemorar, considerando-se que o blog O Fim não é um veículo de notícias, e que a maior parte das postagens consistem em obras de minha autoria. 

Comemorando, republico um de meus sonetos antigos, publicado em 8 de março de 2010, na ocasião, em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.


Soneto a Ela

E paira alta grandeza sobre as nuvens
e pesa mau destino sobre os homens.
Em negro mundo os anos se consomem
e mais clara em tua alma tu nos surges...

Caem raios das horas que refulges,
como sonhos de morte que em mim somem
como fins teus ocultos que há em Beethoven
como sombra em ti fêmea viva em luzes...

Tua voz nas tormentas que há nos céus,
teu olhar cataclísmico nos vela
nos sinais do Infinito dos teus véus...

E por ser Una, arcanamente bela,
alguém dirá talvez que vós sois Deus,
mas canto que vós sois no Eterno Ela...