25 abril 2017

Remédios para não se ser

nos primórdios do século XIX
fugia-se da realidade externa
nos primórdios do século XXI
foge-se da realidade interna:
o si mesmo foge do eu

o eu esconde o ser

faz-se tudo para não se encarar
escolhe-se um outro ou um algo para se pôr a culpa
e elimina-se um possível espelho
onde se veja que não se é nada

ninguém quer saber do si mesmo
enche-se de tudo
para não se ter de sentir nada
do nada que se sente
e que em realidade ainda é tudo

sem seu mundo interior
o homem deixa de ser um algo
e nessa fuga do que não se sabe
acabou des-sendo
do que nem pode ser

23 abril 2017

Antes que se dane a Vida

escrever uma palavra
antes que a palavra acabe:
nem ao menos um poema
que um poema nem mais há de ...
mas viver uma palavra
que ao menos não nem e nada
pois nem mesmo vai ser lida
malentendida entre a vida
mas sofrer uma palavra
que já era no que foste
e antes que o dizer se morra
e antes que o amor se passe
(como se ele já não fosse)
dessangrar uma palavra
antes que o humano acabe
(como se ele ainda fosse...)

te deixar uma palavra
entre caos horror e calma
antes que se dane a vida
e que se desescreva a alma

21 abril 2017

Nem Sentido

o mundo de hoje é muito apertado:
não cabe o mundo interior
entre as vitrines da aparência

por isso não mais falo do que sinto:
a qual alguém pode interessar
o que um outro sente
se o alguém nem sente por si mesmo
e nem quer saber do outro?
(talvez, se estiver morto)

só há sentido no sentimento expresso
quando o outro o reflete e o encontra
expresso no seu ser

mas ninguém
nem se encontra no seu ser
nem reflete por si mesmo
nem se expressa o que não sente
e por Fim
nem sentido há algum

18 abril 2017

Tempos de Caos

I - escrever em tempos de fim
é algo que não vale a pena:
se você escrever uma ideia

e ela estiver errada
você será odiado
pela ousadia e insensatez
de dizer merda

se você escrever uma ideia
e ela estiver certa
você será odiado
pela ousadia e insensatez
de dizer uma verdade

II - em tempos de caos
surgem dois tipos de pessoas:
os que dizem que do caos surgem os embriões
e os que dizem que do caos surge mais caos

eu digo que há dois tipos de caos:
o caos que surge pelos conflitos de grandes ideias
e o caos que surge pela ausência de grandes ideias
do último não sai nada
ou sai mais nada

em qual dos dois
se insere o nosso tempo?

16 abril 2017

Aquele Sorriso Estúpido

quando saio às ruas pelas manhãs
percebo o quanto as ruas pelas manhãs
são um porre
(ah, quem dera fossem um porre):
aqueles montes de gente amontoada
que nem percebem que não passam de montes
aquelas gentes apressadas
estressadas
mecanizadas
esvaziadas
nadas

pra lá e pra cá como moscas tontas

a comprar merdas e pagar contas
seguindo aquela vida (f)útil
arrastando suas mori bundas
e afundando seus cus nos seus carros do ânus
com aquele sorriso estúpido
de quem contribui para o progresso
(ainda há quem acredite em progresso)
da sua cidade do seu país da civilização
certas de que estão certas
de que existe papai noel
desenvolvimento
e evolução

quando saio nas ruas pelas manhãs

me deploro com o que há-de:
que é o lembrar de que o que vejo
trará o futuro da humanidade

13 abril 2017

de humanidade, ditadura, liberdade

I - o mais absurdo da humanidade
é haver gente que vê saída
para o absurdo da humanidade

II - têm razão os que querem a volta da ditadura:
acaba-se com os males por decreto:

se alguém fez um mal, ninguém viu, porque é proibido
e se ninguém viu, é porque o mal nem existiu

III - Liberdade não é só se dizer o que se pensa:
é pensar o que se vive

viver o que se sente
sentir o que foi dito
e saber o que está escrito

11 abril 2017

Vida Adiada

I - o que de ti me mostras
não é o que vejo...
o homem nunca está onde está:
ou é medo
ou é saudade
ou é desejo

II - aquilo que o homem faz
ele nunca faz
estando em cem por cento:
aquilo que o homem faz
ele o faz
já estando
(em querer ou em receio)
no próximo momento

III - as pessoas
pre-ocupam-se tanto
que nunca se ocupam
com o seu tanto

09 abril 2017

Perdendo Tempo

pergunta Fernando Pessoa:
“o que é o tempo para que eu o perca?”

ler um romance
no lugar de ganhar dinheiro
é perder meu tempo?

ouvir música
no lugar de ler o romance
é perder meu tempo?

se eu brincar com um gato
no lugar de ouvir verdades
perderei meu tempo?

se eu for buscar inspiração
perderei o meu tempo?

se eu entender toda a humanidade
sem sair da minha preguiça
(que necessidade que há
de se sair da preguiça
para se entender a humanidade?)
perderei o meu tempo?

se o irreal é a perda do tempo
o real seria o seu ganho?
e como isso funcionaria?

a falsa felicidade de todos
veio do ganho de tempo?

ganharei o meu tempo
engendrando planos?
ou ganharei o meu tempo
fazendo o que sei que não quero
para ter o que penso que quero?

ganhar tempo é ser útil a mim
e  à humanidade?

mas o que seria útil a mim
e à humanidade?

ser produtivo
é um ato falho.
não produzir nada de útil
é o mais difícil trabalho

07 abril 2017

Qual é a Solução Pronta para você?

Na era da SUPERFÍCIE e da VELOCIDADE em que vivemos, as pessoas buscam as "soluções" apresentadas como "prontas". Isso vai desde a alimentação (fast foods, comidas congeladas etc), passando pelas pesquisas na internet, pelos noticiários de TV até as escolhas RELIGIOSAS e POLÍTICAS. Raramente, uma questão, um ponto, um problema são analisados com profundidade e considerando-se seus inúmeros aspectos. Dá muito trabalho. Acaba-se sempre se deixando que outros façam esse "serviço sujo". 

As pessoas não gostam de parar para refletir, para contemplar, para sensibilizar-se, para se colocar no lugar de outros, porque isso custa tempo e esforço psíquico.  Poucos são os que conseguem, por exemplo, aprofundar-se em algum livro, em seu conteúdo, em suas entrelinhas, em geral o leem, SE O LEREM, com superficialidade e rapidamente, nem chegam a sentir e a refletir sobre o que leram. Ou então escolhem um livro fácil, que não exige esforço do leitor e onde todas as ideias, como sempre, já estão prontas, não se precisa construir nada. Mas, para a maioria, ler é "perda de tempo". Textos só serão lidos se forem "curtinhos", nada de "textões", como deverão considerar este meu. 

Um exemplo nesse sentido, o das"soluções prontas", é o desejo de "ordem" dos brasileiros. É muito comum a opinião de que o Brasil precisa "entrar em ordem". Mas o que é entrar em ordem? Como se entra em ordem? Ordem, no seu sentido verdadeiro, em uma nação, somente surge da justiça e inserção sociais, com a redução das desigualdades, com oportunidades geradas para todos, com educação e cultura fortes, com liberdade de pensamento e expressão. A ordem é um processo de dentro para fora, gradual, lento, exigente, não pode ser imposta de forma externa. 

Mas os adeptos das soluções prontas, que nunca analisaram a questão, querem que seja assim. Que a ordem seja "estabelecida" com opressão, com repressão, com mascaramento das desigualdades, com eliminação dos não-favorecidos, como se isso fosse resolver alguma coisa, a não ser alimentar mais e mais revolta, caos e violência. Mas custa se aprofundar e entender tudo o que está envolvido. É melhor, então, uma "solução" já prontinha e enlatada, tipo um Bolsonada e/ou uma ditadurinha militar.


05 abril 2017

dos Brasileiros e da Humanidade

I - o complexo de pequenez e de inferioridade 
do brasileiro 
é tão grande e tão superior
que ele precisa escolher alguns como mais inferiores
para humilhar oprimir eliminar e pôr a culpa
e assim se sentir superior

II
- a humanidade se cansou
(assim como quem já assistiu
a tantos filmes de horror
que já nada mais choca ou surpreende):
coisa alguma
faz efeito algum

quando se chega a esse ponto
é preciso mudar a fundo
ou morrer e pronto

02 abril 2017

Mudanças climáticas: planeta tem RECORDE de DEGELO entre janeiro e fevereiro de 2017

Apenas reproduzo trechos de artigo de José Eustáquio Diniz Alves, professor e pesquisador da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE/IBGE). O artigo foi publicado no site EcoDebate. Qualquer dúvidas sobre fontes ou maiores informações, basta clicar aqui. Ou pesquisar na internet por conta própria. 



"O degelo global bateu todos os recordes em janeiro e fevereiro de 2017. Depois de três anos (2014, 2015 e 2016) de temperaturas muito elevadas, sem precedentes no Holoceno (últimos 10 mil anos), a desglaciação do Ártico, da Groenlândia, da Antártica e dos glaciares atingiu um recorde, como mostra o gráfico acima.

A tendência de queda é clara ao longo dos últimos 40 anos. A curva acima tem uma distribuição bimodal, pois o hemisfério Norte tem pico de gelo em fevereiro, quando o hemisfério Sul está no vale (mínimo de gelo), sendo que em julho a Antártica está no máximo de gelo e o Ártico no mínimo. O máximo do gelo global acontece entre outubro e novembro. Seguindo as curvas anuais (todas com este mesmo tipo bimodal de distribuição), nota-se que elas mostram uma tendência de queda em relação à média de 1981-2010, embora haja oscilações anuais de curto prazo, diferentes da tendência de longo prazo.

Porém, chama a atenção que o padrão de queda na extensão de gelo, desde setembro de 2016, não tem paralelo nos últimos 40 anos, quando se começou as medidas por satélite. A curva de 2016 sofreu uma queda abruta no último trimestre do ano (outubro a dezembro) e continuou batendo recordes de baixa nos dois primeiros meses de 2017.


Ao contrário do Ártico, a Antártica estava aumentando a extensão de gelo desde 1978. As causas deste aumento são complexas e envolvem a força dos ventos, as correntes marinhas, o ciclo hidrológico etc. Todavia, nunca, desde o início da medição por satélites, a extensão do gelo nos meses de janeiro e fevereiro, foi tão grande como em 2014 e 2015. Mas essa tendência foi revertida e a redução do gelo na Antártica foi enorme em 2016 e bateu todos os recordes negativos em 2017.

Uma das constatações do degelo é que uma imensa rachadura na plataforma de gelo Larsen C cresceu profundamente em dezembro de 2016 e falta pouco para que um imenso bloco de cerca de 5 mil km² (equivalente a área do País de Gales ou da Região Metropolitana do Rio de Janeiro) se desprenda da plataforma Larsen C.


Há duas maneiras pelas quais os glaciares perdem gelo: o derretimento superficial e a descarga de icebergs, conhecidos como partos. Antes de 2005, a massa perdida das geleiras nas ilhas da rainha Elizabeth foi compartilhada quase igualmente entre os dois, em 48% e 52%, respectivamente.

No entanto, após 2005, o derretimento da superfície tornou-se o principal contribuinte da perda de gelo: agora representa 90% das perdas totais na região. Eles passaram a derramar três gigatons de água anualmente para 30 gigatons – algo que tem sérias consequências. Enquanto a Groenlândia e a Antártida possuem a maior quantidade de água doce do mundo sob a forma de geleiras e lençóis de gelo, o Canadá também tem sua parcela significativa. O país é o lar de cerca de 20 por cento das geleiras do mundo e, como resultado, é o terceiro maior contribuinte para a mudança do nível do mar.

Enquanto a governança global está sobre ameaça devido ao crescimento do nacionalismo e do militarismo, o Acordo de Paris está sob ameaça. Mas o aquecimento não arrefece e o declínio do volume global de gelo é uma realidade inquestionável."

31 março 2017

Mandantes e Pensantes

I – onde há mandantes
não há pensantes
e vice-versa

II – a humanidade até combate
uma grande tirania
mas alimenta as pequenas
nossas vizinhas
do dia a dia

III – a melhor censura
não é proibir
as ideias surgidas

é convencer-se
de que elas nem devem surgir

29 março 2017

Alguns trechos "proféticos" do censurado "Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley


A literatura universal, como arte, tem muito disto: antever verdades. Os exemplos são inúmeros. A obra "Admirável Mundo Novo", publicada em 1932 pelo gênio da literatura inglesa, Aldous Leonard Huxley, é pródiga em previsões pessimistas para a humanidade. Hoje, percebemos que Huxley estava certo em quase todas elas. O livro está entre os que mais foram proibidos e censurados durante o século XX. A seguir, alguns trechos da obra. As conclusões ficam a cargo dos leitores:


"Um desembarque na lua poderá ser de alguma utilidade militar para a nação que o conseguir. Mas em nada contribuirá para tornar a vida mais tolerável, durante os cinquenta anos que vamos dispender na nossa duplicação, para os bilhões de subalimentados que pululam na terra."

"A nossa sociedade ocidental contemporânea, apesar do seu progresso material, intelectual, dirige-se cada vez menos para a saúde mental, e tende a sabotar a segurança interior, a felicidade, a razão e a capacidade de amor no ser humano; tende a transformá-lo num autômato que paga o seu fracasso com as doenças mentais cada vez mais frequentes e com o desespero oculto sob um delírio pelo trabalho e pelo chamado prazer."

“Um Estado totalitário verdadeiramente eficiente seria aquele em que os chefes políticos de um Poder Executivo todo-poderoso e seu exército de administradores controlassem uma população de escravos que não tivessem de ser coagidos porque amariam sua servidão."

"Livraram-se deles. Sim, é bem o modo dos senhores procederem. Livrar-se de tudo o que é desagradável, em vez de aprender a suportá-lo. Se é mais nobre para a alma sofrer os golpes de funda e as flechas da fortuna adversa, ou pegar em armas contra um oceano de desgraças e, fazendo-lhes frente, destruí-las... Mas os senhores não fazem nem uma coisa nem outra. Não sofrem e não enfrentam. Suprimem, simplesmente, as pedras e as flechas. É fácil demais."

“Sessenta e duas mil repetições fazem uma verdade. Cremos nas coisas porque somos condicionados a crer nelas. Tal é a finalidade de todo condicionamento: fazer as pessoas amarem o destino social a qual não podem escapar.”