21 maio 2017

Questão de Preço

não verás saída
para  o que te selaram como preço
pois verás um cerco que te prensa
e um circo de esterco que te apreça

é só este charco que te acerca:
desde o que pensas
(que é o que te ditam as imprensas
a te enfiar pelo rabo)
até essa pressa
de consumir a todo apreço
o que te ditam as empresas
a transbordar pelo ralo

de modo que a nossa queda
é só questão de preço e passo
ao abismo
que se paga e a que se vai
e é inútil todo alerta:
todas essas eras de alarde
o tempo com desprezo
esmaga cedo ou tarde

19 maio 2017

Temer, JBS, Sartori, Judiciário...

Não adianta, hoje tem que se falar em política. Eu tenho quatro pontos a chamar a atenção sobre a história toda. Vamos a eles:

1º - Tem muita gente bradando "Fora Temer", que o cara tem que sair, que não gosta do seu governo, mas, no entanto, porém, contudo, todavia, está gostando e apoiando TODOS os projetos que o seu governo manda para ser aprovado no Congresso: congelamento de investimentos, Terceirização, Reforma Trabalhista, enfim, está achando tudo muito certo, tudo muito bom. Então, como que quer que o Temer saia? Ou é burrice ou é hipocrisia.

2º - Fala-se muito do PT do Lula, agora, do PSDB do Aécio. Mas e o PP da Ana Amélia e o PMDB do Sartori... estão esquecendo? Então, vou refrescar a memória.  Esses dois partidos receberam juntos 104 milhões da JBS e da BRF em 2014. Só o Sartori, recebeu para sua campanha mais de 2 milhões e meio. Foi mais que os 2 milhões do Aécio. Ah, mas foi para a campanha. Dizem. Seja como for, recebeu. Deem uma pesquisada.

3º - Observem esse trecho do "Aúdio do Temer", divulgado hoje:

"Temer - O Eduardo (Cunha) resolveu me fustigar... Não tem nada a ver com a defesa. O MORO INDEFERIU 21 perguntas dele que não tem nada a ver com a defesa dele."

Deixa ver se eu entendi: O Moro NÃO PERMITIU 21 perguntas do Cunha que teriam a ver com Temer? É isso? Por que será? Talvez porque o Cunha também tivesse as respostas...

4º - Ainda com relação ao áudio, o Joesley da JBS fala que tem 2 juízes e um procurador nas suas mãos. Ou seja, está confessando um crime ao PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Depois, o presidente, o Temer, rebateu que NÃO ACREDITOU no Joesley. Não acreditou? Essa é a função de um Presidente da República: ouvir de um megaempresário um crime em que se envolve o Poder Judiciário do país e "não acreditar" e deixar tudo por isso mesmo? Mas o pior não é isso. O pior é um indivíduo TER A INTIMIDADE de confessar um crime ao presidente de um país na maior tranquilidade, sabendo, que, sendo verdade, nada lhe aconteceria. Talvez, porque sabia que o outro também é como ele...

Falando em juízes, procuradores na mão de criminosos, não está na hora de se investigar o Judiciário brasileiro também? E quem é que investiga?

17 maio 2017

Progresso e Tripas

eu pouco fiz que me tornasse lido
tudo que digo não pretende o mundo
tudo não fundo nem me importa tê-lo
então meu selo é como um vinho extinto
sonho já ido com estas lentas mortes
que de tão fortes nem nos dizem nada
como na estrada aquele bucho aberto
que de tão perto nem nos é mais visto:

gato-mourisco atropelado a um canto,
o humano pranto é bem mais podre e findo

15 maio 2017

das Desditas que Desdigo

dos decursos dos desígnios
das delongas das demoras
dos despistes das desgraças
das desforras das derrotas
dos descuidos das demências
dos dizeres dos distantes
dos deságues dos desejos
nos divinos dos destinos

13 maio 2017

das Artes

só há compreensão
de alma para alma:
quem não a tem em si
não a percebe no que é outro
nem nos seres
nem nas coisas
nem nas artes

nem no todo
nem nas partes

somente o que tem alma
capta o que de alma
há no que é
(para quem não a tem
não há nada)

alguns questionarão:
“mas...
de que tipo de alma ele fala?”

para quem a tem
não é preciso que se diga
já se entende
com o que se cala

11 maio 2017

O uruguaio Benedetti, sobre diretores de empresas e sobre médicos

O uruguaio Mario Benedetti (1920-2009), na charmosa foto acima, escreveu algumas das grandes páginas da literatura latino-americana. Várias delas estão na sua obra-prima "A Trégua", romance publicado em 1960 e posteriormente filmado, concorrendo ao Oscar de melhor filme estrangeiro e que assombra por sua profundidade psicológica a agudeza na expressão e análise do drama humano. Extraí dois trechos da obra em questão, que me chamam a atenção pela sua aplicabilidade à realidade brasileira atual. Os trechos em questão referem-se a diretores de empresas e a médicos.

Sobre diretores de empresas:

Imagino que eles, quando se refestelam em suas poltronas estofadas da sala da Diretoria, devem se sentir quase onipotentes, pelo menos tão perto do Olimpo quanto deve se sentir uma alma sórdida e negra. Chegaram ao máximo. (...) Para esta pobre gente, o máximo é chegar a sentar em cadeiras presidenciais, experimentar a sensação (que para outros seria por demais incômoda) de que alguns destinos estão em suas mãos, ter a ilusão de que resolvem, de que dispõem, de que são alguém. Hoje, contudo, enquanto os olhava, não conseguia considerar suas caras como pertencentes a Alguém, mas sim a Algo. Parecem-me coisas, não pessoas. (...) Mas são pessoas. Não parecem, mas são. E pessoas dignas de uma odiosa piedade, da mais infamante das piedades, porque a verdade é que eles formam para si uma casca de orgulho, um invólucro repugnante, uma sólida hipocrisia, mas no fundo são ocos. Asquerosos e ocos. E padecem da mais horrível variante da solidão: a solidão de quem não tem sequer a si mesmo.

Sobre médicos:

Há médicos que gostam de aterrorizar, ao menos de anunciar a proximidade de terríveis complicações, de perigos indefinidos e implacáveis. Depois, se a realidade não é tão sinistra, sobrevém uma grande sensação de alívio, e o alívio familiar é, no mais das vezes, o melhor clima possível para pagar sem aborrecimento, até com gratidão, uma conta ABUSIVAMENTE ALTA. Quando alguém pergunta ao médico, com humildade, quase com vergonha, sentindo claramente o constrangimento de tocar em um tema tão vulgar e grosseiro diante de quem sacrifica sua vida e seu tempo pela saúde do próximo: “Quanto é, doutor?”, ele sempre diz, acompanhando suas palavras com um gesto generoso e compreensivo de desconforto: “Por favor, amigo, logo mais tratamos desse assunto. E não se apresse, pois comigo não haverá problemas.” (...) Depois, quando chega finalmente a hora de discutir o assunto, vem a conta gorda, em separado.

08 maio 2017

Sou Péssimo

as pessoas querem ser agradadas acariciadas justificadas
querem autoajudas que lhe digam que suas merdas
não fedem tanto
e que podem seguir cagando ad infinitum 
até transbordar o planeta

as pessoas querem ler coisas belas-bonitas
daquelas de se pendurar em paredes
palavras-vassouras que varrem seu próprio horror
para debaixo do tapete em farrapos da existência

as pessoas querem palavras light
que podem ser digeridas-lidas durante banquetes
que não pesem nem no estômago nem na consciência

as pessoas querem palavras legais-boazinhas
de sorrisinho humilde como mordomo de palácio
que entregam cartinhas e flores
em bandejas de ouro

enfim, as pessoas até gostam 
de escritores-poetas
desde que façam literatura de enfeite...
ok, é tudo mesmo tão lindo!
mas ainda bem que sou péssimo nisso

06 maio 2017

A Primeira Sinfonia

Amanhã, dia 7,  é aniversário de Johannes Brahms. 184 anos. Como já é tradição, deixo algo para ou sobre meu compositor favorito e influência de vida. Ouvindo, mais cedo, sua espetacular 1ª Sinfonia, resolvi escrever um pouco a respeito.


A Sinfonia nº1, em Dó menor, opus 68, estreou em 4 de novembro de 1876, em Karlsruhe, Alemanha. Brahms já estava com 43 anos. Ou seja, demorou muito para compor sua primeira sinfonia. Um dos motivos, era a sombra de Beethoven que pairava sobre os compositores da época, particularmente sobre Brahms, que tinha Beethoven e Bach como seus maiores mestres. Parecia que Beethoven já tinha feito tudo em termos de sinfonias. O que não era verdade. Estão aí Brahms, Bruckner, Mahler, Shostakovich, por exemplo, para provar. Mas o próprio Brahms chegou a declarar:
"Nunca terminarei uma sinfonia. Não podes fazer ideia de como afeta o espírito de um indivíduo ter que escutar constantemente os passos de um gigante atrás de si." Brahms referia-se a Beethoven. 


De modo que Brahms levou 20 anos para compor a Sinfonia nº1. E talvez tenha sido melhor assim, pois o resultado foi a composição de uma das maiores e mais grandiosas sinfonias da história. A comparação com as sinfonias de Beethoven, particularmente com a sua última, a 9ª Sinfonia, foi imediata e inevitável. Hans von Bülow, famoso crítico musical da época, afirmou que a 1º Sinfonia de Brahms era a 10ª de Beethoven. Há nessa afirmação, dois lados: dizer que a sinfonia de um compositor é a continuação da obra de Beethoven, o maior sinfonista de todos os tempos, é um honra que não se mede. O outro lado é que parece que a sinfonia de Brahms se resumia a uma excelente continuação de Beethoven, sem um verdadeiro espírito próprio. Nada mais equivocado. A obra de Brahms é uma obra romântica, mas transcende o romantismo.

A Sinfonia nº1 de Brahms tem uma alma única em toda a literatura musical. É ostensível que a influência de Beethoven está presente, principalmente na estrutura da obra. No quarto movimento, surge uma comovente melodia que é uma espécie de homenagem à "Ode à Alegria" da última sinfonia de Beethoven. Mas nas páginas da 1ª Sinfonia está principalmente Brahms. O Brahms trágico, violento, pesado de um lado; de outro, o  Brahms terno, lírico, glorioso. 

A sinfonia inicia a todo vapor, com uma titânica massa orquestral, marcada pela percussão, que exala poder e fúria. O primeiro movimento, dominado por temas amplos e densíssimos, é todo construído sob o domínio de uma força indomável, em um clima marcial que beira a selvageria. No segundo movimento, surgem intensas melodias apaziguadoras, que, em sua doçura melancólica trazem-nos uma profunda tranquilidade de espírito. O terceiro movimento, alegre, grandioso, luminoso, deixo-nos simplesmente felizes. No entanto, no quarto e último movimento, retorna a tensão do primeiro, dessa vez não com tanta fúria, mas sob um profundo clima de mistério. Conforme o movimento vai se desenvolvendo, a força marcial do movimento inicial retorna com enorme carga emocional, como se fosse uma luta entre a tragédia e a vitória. Entrecortado por momentos de glória e revolta, e pelas tempestades românticas, o movimento encaminha-se para seu retumbante final, onde a vitória prevalece. 

04 maio 2017

Humanos são Absurdos

a sombra que paira sobre a humanidade
se aproxima a cada passo
dado por mim dado por ti:
eu, essa nulidade
tu, esse palhaço

a sombra que pesa sobre a humanidade
se agiganta a cada nada
se avizinha a cada riso
como quem sabe da curva da estrada
mas não sabe que dá num abismo

a sombra que sangra sobre a humanidade
se aprofunda a cada tudo
(que todo sucesso é o mesmo fracasso)
e o culpado sou eu, esse palhaço
e o culpado é tu, esse absurdo

02 maio 2017

do que Cansa no que se Vive

o que cansa no que se vive
é essa mania de ter que viver
de alguma forma determinada
como a sendo a fôrma da vida

o que cansa é essa coisa
de se ter que fazer alguma coisa
mas só dentro do que já estado
e de que aquilo que se faz
ter de ser considerado
como algo já feito
ou tido como aceito

o que cansa é esse algo
de ter de fazer algo na vida
mas não qualquer algo
mas só naquela regra
já por outros regrada entendiada definida

o que cansa
é esse ter de cansar-se sem sentido
sem nem entender-se o motivo
a não ser o de ter de cansar-se
até sentir-se morto
para que se diga 
que se está vivo

30 abril 2017

das Armas

um revólver taurus calibre 38
seis tiros 4 polegadas
de início
depois
pode ser pistola
uma beretta mesmo
ou quem sabe a magnum 44
ou até espingarda
garrucha
mosquete
arcabuz

de metralhadora já servem
as dos anos 30
tipo a thompson “tommy gun”

perfeito também é um fuzil de assalto
até uma sub
ou indo para a browning m2
sem desprezar canhões
bazucas
e granadas

e depois
até serve um punhal
uma besta da idade média
uma machadinha
arco e flecha indígenas
ou um facão de campanha
ou a faca mesmo
usada nas carneadas
e ainda uma espada de guerra
daquelas de ponta afiada
para deixar na cara
a assinatura

qualquer uma
tudo isso tem bom uso
quando se combate com a palavra
sangrenta da  Literatura

28 abril 2017

Liberdade x Controle

há dois tipos de pessoas:
as que buscam a liberdade
e as que buscam o controle

buscam o controle
os que julgam que liberdade
é sinônimo de anarquia
e que podem e devem
decidir pelos outros
(e para outros)
o comportamento de todos

e para ter o controle
pensam ter a razão e o saber
e o direito de exercer o controle
e o como, o a quem e o para quê?
controlar

mas como estão certos
de que estão certos?
e que outros lhes deram o direito
de ter direitos sobre outros?

buscam a liberdade
não os que desejam
a ausência de controle
mas os que promovem ao homem
as condições de a si próprio
exercer a consciência
de saber quando ser livre
e de quando se controlar

25 abril 2017

Remédios para não se ser

nos primórdios do século XIX
fugia-se da realidade externa
nos primórdios do século XXI
foge-se da realidade interna:
o si mesmo foge do eu

o eu esconde o ser

faz-se tudo para não se encarar
escolhe-se um outro ou um algo para se pôr a culpa
e elimina-se um possível espelho
onde se veja que não se é nada

ninguém quer saber do si mesmo
enche-se de tudo
para não se ter de sentir nada
do nada que se sente
e que em realidade ainda é tudo

sem seu mundo interior
o homem deixa de ser um algo
e nessa fuga do que não se sabe
acabou des-sendo
do que nem pode ser